Documento Oficial do White Estate da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo-dia.

E. G. White-Letter 3, 1847

Manuscript Release #281—4

Below is EGW's handwritten three-page letter

 

Ellen White to Joseph Bates

Gorham, Maine, July 13, 1847

Dear Brother Bates:

As James is at work and sisters are from home thought I would employ myself in writing a line to you. My health is quite good for me. My faith is still strong that that very same Jesus that ascended up into heaven will so come in like manner as He went up, and that very, very soon. I have had many trials of late; discouragement at times has laid so fast hold upon me it seemed impossible to shake it off. But thank God, Satan has not got the victory over me yet, and by the grace of God he never shall. I know and feel my weakness, but I have laid hold upon the strong arm of Jehovah, and I can say today I know that my Redeemer liveth, and if He lives I shall live also. Oh how good it would be to meet with a few of like precious faith to exhort and comfort one another with words of holy cheer from the word of God. The sheep are now scattered, but thank God, they are about to be gathered to a good pasture.

Oh how sweet it will be to meet all the blood-washed throng in the city of our God. 'Tis then we'll sing the song of Moses and the Lamb as we march through the gates into the city, bearing the palms of victory and wearing the crowns of glory.

Brother Bates, you write in a letter to James something about the Bridegroom's coming, as stated in the first published visions. By the letter you would like to know whether I had light on the Bridegroom's coming before I saw it in vision. I can readily answer, No. The Lord showed me the travail of the Advent band and midnight cry in December, but He did not show me the Bridegroom's coming until February following. Perhaps you would like to have me give a statement in relation to both visions. At the time I had the vision of the midnight cry I had given it up in the past and thought it future, as also most of the band had. I know not what time J. Turner got out his paper. I knew he had one out and one was in the house, but I knew not what was in it, for I did not read a word in it. I had been, and still was very sick, I took no interest in reading, for it injured my head and made me nervous. After I had the vision and God gave me light, He bade me deliver it to the band, but I shrank from it. I was young, and I thought they would not receive it from me. I disobeyed the Lord, and instead of remaining at home, where the meeting was to be that night, I got in a sleigh in the morning and rode three or four miles and there I found J. T. He merely inquired how I was and if I was in the way of my duty. I said nothing, for I knew I was not. I passed up chamber and did not see him again for two hours, when he came up, asked if I was to be at meeting that night. I told him, No. He said he wanted to hear my vision and thought it duty for me to go home. I told him I should not. He said no more, but went away. I thought, and told those around me, if I went I should have to come out against his views, thinking he believed with the rest. I had not told any of them what God had shown me, and I did not tell them in what I should cut across his track.

     All that day I suffered much in body and mind. It seemed that God had forsaken me entirely. I prayed the Lord if he would give me strength to ride home that night, the first opportunity I would deliver the message He had given me. He did give me strength and I rode home that night. Meeting had been done some time, and not a word was said by any of the family about the meeting.

Very early next morning J. T. called, said he was in haste going out of the city in a short time, and wanted I should tell him all that God had shown me in vision. It was with fear and trembling I told him all. After I had got through he said he had told out the same last evening. I was rejoiced, for I expected he was coming out against me, for all the while I had not heard any one say what he believed. He said the Lord had sent him to hear me talk the evening before, but as I would not, he meant his children should have the light in some way, so he took him. There were but few out when he talked, so the next meeting I told my vision, and the band, believing my visions from God, received what God bade me to deliver to them.

The view about the Bridegroom's coming I had about the middle of February, 1845.

     While in Exeter, Maine in meeting with Israel Dammon, James, and many others, many of them did not believe in a shut door. I suffered much at the commencement of the meeting. Unbelief seemed to be on every hand. There was one sister there that was called very spiritual. She had traveled and been a powerful preacher the most of the time for twenty years. She had been truly a mother in Israel. But a division had risen in the band on the shut door. She had great sympathy, and could not believe the door was shut. (I had known nothing of their differences.) Sister Durben got up to talk. I felt very, very sad. At length my soul seemed to be in an agony, and while she was talking I fell from my chair to the floor. It was then I had a view of Jesus rising from His mediatorial throne and going to the holiest as Bridegroom to receive His kingdom. They were all deeply interested in the view. They all said it was entirely new to them. The Lord worked in mighty power setting the truth home to their hearts. Sister Durben knew what the power of the Lord was, for she had felt it many times; and a short time after I fell she was struck down, and fell to the floor, crying to God to have mercy on her. When I came out of vision, my ears were saluted with Sister Durben's singing and shouting with a loud voice. Most of them received the vision, and were settled upon the shut door. Previous to this I had no light on the coming of the Bridegroom, but had expected him to this earth to deliver His people on the tenth day of the seventh month. I did not hear a lecture or a word in any way relating to the Bridegroom's going to the holiest.

     I had but very few privileges in 1842, 3 & 4. My sisters both went to the camp meetings in New Hampshire and Maine, while my health prevented me from going to but one, in Maine. I know the light I received came from God, it was not taught me by man. I knew not how to write so that others could read it till God gave me my visions. I went to school but very little on account of my health. I do not think I went to school a day after I was twelve years old, and did not go then but a few days at a time, when sickness would cause me to take my bed for weeks and sometimes for months. The first I wrote anything that could be called writing was after I had been sick the prayer of faith was put up for me, and healing [here the sheet ends, and the reminder of the letter is gone.]

E. G. White-Letter 3, 1847

Manuscript Release #281—4


 



Imagem da carta copiada do website:  http://www.truthorfables.com/EGW_to_J.Bates_1847.htm


O texto da carta encontra-se no website oficial do White Estate da Conferência Geral.

http://www.egwtext.whiteestate.org/published-writings.html


 


Tradução google   https://translate.google.com/

Ellen White para Joseph Bates

Gorham, Maine, 13 de julho de 1847
Querido irmão Bates:
Como James está no trabalho, as irmãs tem a idéia que devo escrever umas linha para você. Minha saúde anda muito bem. Minha fé é ainda forte que esse mesmo Jesus que subiu ao céu há de vir assim da mesma forma, enquanto ele subia, e que srá em breve. Eu tive muitas provações da tarde; desânimo às vezes tem me tomado conta muito rapidamente, e parece impossível me livrar dele. Mas graças a Deus, Satanás não conseguiu a vitória em cima de mim ainda, e pela graça de Deus, ele jamais terá. Eu sei e sinto a minha fraqueza, mas eu tenho me apoiado no braço forte do Senhor, e hoje posso dizer que eu sei que o meu Redentor vive, e se Ele vive eu também viverei. Oh quão bom seria encontrar com alguns de fé igualmente preciosa para exortar e consolar-nos mutuamente com palavras de santa alegria da palavra de Deus. As ovelhas estão agora dispersas, mas graças a Deus, eles estão prestes a ser recolhidos a um bom pasto.
Oh quão doce será para atender toda a multidão lavado de sangue na cidade do nosso Deus.  Então vamos cantar o cântico de Moisés e do Cordeiro quando nós marcharmos através dos portões para a cidade, tendo as palmas de vitória e vestindo as coroas de glória.
O irmão Bates, você escreve em uma carta a James algo sobre a vinda do Esposo, como indicado nas visões publicadas pela primeira vez. Pela carta, você gostaria de saber se eu tinha luz sobre o Noivo está vindo, antes que eu vi em visão.
Eu posso responder prontamente. O Senhor mostrou-me o fruto do trabalho do grupo de Advento e clamor da meia noite em dezembro, mas Ele não me mostrou chegando até fevereiro seguinte do Noivo. Talvez você gostaria de ter que me dar uma declaração em relação a ambas as visões. Na época, eu tinha a visão do clamor da meia-noite que eu tinha desistido dele no passado e pensei que o futuro, como também a maior parte do grupo teve. Eu não sei que horas J. Turner pegou seu papel. Eu sabia que ele tinha um fora e um estava em casa, mas eu não sabia o que estava nele, porque eu não li uma palavra nele. Eu tinha estado, e ainda estava muito doente, eu não tinha interesse na leitura, pois feriu minha cabeça e me deixou nervosa. Depois que eu tive a visão e Deus deu-me luz, Ele me mandou entregá-lo para ao grupo, mas eu encolhí a partir dele. Eu era jovem, e eu pensei que não iria recebê-la de mim. Eu desobedecí ao Senhor, e em vez de ficar em casa, onde a reunião era para ser naquela noite, cheguei em um trenó na parte da manhã e montei três ou quatro milhas e lá encontrei JT Ele apenas perguntou como eu estava e se eu fosse no caminho do meu dever. Eu não disse nada, porque eu sabia que não estava. Passei-se de câmara e não vê-lo novamente por duas horas, quando ele veio para cima, me perguntou se eu era para estar em reunião naquela noite. Eu disse-lhe: Não Ele disse que queria ouvir a minha visão e pensei que o dever para mim era ir para casa. Eu lhe disse que não deveria. Ele não disse mais nada, mas foi embora. Eu pensei, e disse que me rodeiam, se eu fosse, eu deveria ter que sair de encontro a seus pontos de vista, pensando que ele acreditava com o resto. Eu não tinha contado a nenhum deles o que Deus tinha me mostrado, e eu não lhes disse no que eu deveria cortar através de sua pista.
Durante todo aquele dia eu sofri muito no corpo e na mente. Parecia que Deus havia me abandonado por completo. Eu orei ao Senhor se ele iria me dar força para montar em casa naquela noite, a primeira oportunidade que eu iria entregar a mensagem que Ele havia me dado. Ele me deu força e eu montei em casa naquela noite. Reunião havia sido feito algum tempo, e nem uma palavra foi dita por alguém da família sobre a reunião.
Muito no início do próximo JT manhã chamou, disse que estava com pressa de ir para fora da cidade em um curto espaço de tempo, e queria que eu deveria dizer a ele tudo o que Deus havia me mostrado em visão. Foi com temor e tremor que eu lhe disse tudo. Depois que eu tinha começado, ele falou que tinha dito o mesmo ontem à noite. Eu estava regozijando-me, pois eu esperava que ele estava vindo contra mim, por todo o tempo eu não tinha ouvido qualquer um dizer o que ele acreditava.
Ele disse que o Senhor lhe havia enviado para me ouvir falar na noite anterior, mas como eu não quis, ele quis dizer os seus filhos devem ter a luz de alguma forma, então ele tomou. Não eram poucos quando ele falou, assim que a próxima reunião eu contei a minha visão, e o grupo, acreditando que minhas visões eram de Deus, recebeu o que Deus me mandou entregar a eles.
A visão sobre a vinda do Esposo que eu tive no meio de fevereiro de 1845.
Enquanto em Exeter, Maine em reunião com Israel Dammon, Tiago e muitos outros, e muitos deles não acreditavam em uma porta fechada. Sofri muito no início da reunião. Descrença parecia estar em cada mão. Havia uma irmã ali que era reconhecida como muito espiritual. Ela tinha viajado e sido uma poderosa pregadora na maior parte do tempo por 20 anos. Ela havia sido verdadeiramente uma mãe em Israel. Mas uma divisão havia surgido no grupo sobre a porta fechada. Ela tinha grande simpatia, mas não podia acreditar que a porta estava fechada. (Eu não tinha conhecimento de suas diferenças.) A irmã Durben levantou-se para falar. Eu me senti muito, muito triste. Por fim, minha alma parecia estar em agonia, e enquanto ela falava eu caí no chão da minha cadeira. Foi então que tive uma visão de Jesus subindo de seu trono mediador e indo para o santíssimo como Noivo para receber o Seu reino. Eles estavam todos profundamente interessados na visão. Todos eles disseram que era totalmente novo para eles. O Senhor operou com grande poder estabelecendo a verdade em seus corações. A irmã Durben sabia o que o poder do Senhor estava alí, pois ela havia sentido muitas vezes; e pouco tempo depois que eu caí, ela foi derrubada, e caiu no chão, clamando a Deus que tenha misericórdia sobre ela. Quando eu saí da visão, meus ouvidos foram saudados com cânticos da Irmã Durben e gritando em alta voz. A maioria deles recebeu a visão, e foram definitivamente convencidos sobre a porta fechada. Anteriormente a isso eu não tinha luz sobre a vinda do noivo, mas ele tinha sido aguardado nesta terra para libertar seu povo, no décimo dia do sétimo mês. Eu não ouvi uma palestra ou uma palavra de alguma forma relacionada com o noivo ir para o santíssimo.
Eu tinha muito poucos privilégios em 1842, 3 e 4. As minhas irmãs ambas foram para as reuniões campais em New Hampshire e Maine, enquanto a minha saúde me impediu de ir, exceto uma no Maine. Eu sei que a luz que recebi veio de Deus, não foi me ensinada pelo homem. Eu não sabia como escrever para que outros pudessem lê-lo até que Deus me deu minhas visões.

Eu fui para a escola, mas muito pouco por causa da minha saúde. Eu não acho que eu fui para a escola um dia depois que eu tinha doze anos, e não ir em seguida, mas alguns dias em um momento, quando a doença me fizesse tomar minha cama por semanas e às vezes por meses. O primeiro que eu escrevi algo que possa ser chamado de escrita foi depois de eu ter estado doente a oração da fé foi posta por mim, e cura [aqui as extremidades da folha, e a lembrança da letra se foi.]

E. G. White-Carta 3, 1847
Manuscript Release # 281-4
Google Tradutor para Empresas:Ferramentas do Google TradutorTradutor de Web sitesGlobal Market Finder
Desactivar tradução instantâneaAcerca do Google TradutorTelemóvelComunidadePrivacidadeAjudaEnviar comentários e opiniões



 

Página fotografada do website oficial.
Na 4a linha comprova que não é a carta integral, dando um código de onde pode ser encontrada.
(Veja comentário logo abaixo)






Mentira, ou visão diabólica ???
Por que interessa à organização Adventista esconder o real significado dado por Ellen White à expressão, PORTA FECHADA ?
A carta ao Comandante Bates, Ellen White define exatamente o que ela queria dizer com PORTA FECHADA !

Esta carta estava publicada no website OFICIAL na sua forma integral até há pouco tempo, tanto em inglês como em português.
Porém, a parte que interessa e compromete a visão de Ellen White, foi suprimida. (acima pode ser vista em tradução para o português, sublinhada em cor amarela)

A parte omitida no website Oficial, deve-se ao fato de caracterizar demais o que Ellen White pretendeu significar com "PORTA FECHADA".
Cabe lembrar que a visão descrita na carta ao Comandante Bates, mais tarde Ellen White tratou como mera TEORIA, e finalmente negou completamente o seu significado.
Essa carta sintetiza a pregação da profetisa ao longo de 5 anos. --- PORTA FECHADA não era só um refrão, mas encerrava a essência de uma pregação.
A administração explica que ela queria dizer que "a Porta da Graça estava fechada para o mundo de então."  --- Também não é verdade, pois a porta da graça nunca esteve fechada para nenhum pecador.

A carta ao Comandate Bates esclarece perfeitamente o que significa PORTA FECHADA e isso não interessa a administração Adventista, pois leva facilmente a conclusão que se de fato houve alguma visão, teria sido diabólica, pois até o dia 1 de janeiro de 2017 a porta da graça continua aberta.


Veja em que cenário aconteceu a Visão da Porta Fechada !  O pregador Israel Dammon saiu PRESO do local das reuniões !!!
Ellen White confirma o incidente em seus escritos.
. (Spiritual Gifts vol. 2, chapter 7, "Call to Travel", p40–42)

https://www.nonegw.org/israel_article.shtml



                                    

Reprodução artística baseado no Testemunho em Juizo de 32 Testemunhas, sob juramento, encontrado nos arquivos de jornal da época, que noticiou a prisão de Israel Dammon.

Um cenário de loucura, onde a jovem Ellen Harmon teve a sua visão !
Uma das Testemunhas declara ter visto o pregador Israel Dammon beijando uma mulher que não era sua.
Ataques freneticos acometiam vários dos presentes, aleluias, gritarias histericas e casais se beijando !
Ellen Harmon com 17 amos acampando com seu namorado James White, recostada num travesseiro no colo do seu namorado, foi onde teve a visão da "Porta Fechada".
Pelas gritarias e queixa de vizinhos, o pregador Israel Dammon foi preso e condenado como "perturbador da ordem pública." (antes o pregador já tinha sido preso pelas mesmas razões)

Testemunhas falaram em juizo, que a jovem Ellen Harmon interrompia a sua visão para dar explicações do que estava vendo !!!  (ao contrário do que dizem os historiadores da igreja)